ÁREA DO ASSOCIADO

Esqueci minha senha

Consulta de Certificados
Emissão de Certificados

Newsletter IBAPE-MG

Cadastre-se e receba novidades sobre cursos, notícias e artigos.

Minas Gerais

Revista Ibape-mg

Notícias

Defesa Civil de BH ganha prêmio por trabalhos de prevenção contra desastres naturais - 28/05/2013

Cidade conquista na Suíça o prêmio Sasakawa pelo conjunto de ações de redução da possibilidade de desastres e trabalhos de prevenção, preparação e recuperação de áreas de risco. A Prefeitura mantém parcerias com diversas instituições privadas como o Instituto Brasileiro de Avaliação e Perícia de Engenharia de Minas Gerais – IBAPE-MG, nas áreas de educação (Centro Universitário de Belo Horizonte - Uni-BH) e engenharia (Associação Brasileira de Mecânica dos Solos – ABMS, e a Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria – Abece).

PUBLICADO EM 23/05/13 - 17h17

O conjunto de ações na capital para reduzir riscos de desastres naturais resultou no prêmio Sasakawa 2013, da Organização das Nações Unidas (ONU), para Belo Horizonte. A conquista foi divulgada nessa quarta-feira (22), em Genebra, na Suíça. A série de ações, que têm como lema “A Defesa Civil Somos Todos Nós”, reúne trabalhos de prevenção, preparação e recuperação de áreas a fim de evitar ou minimizar desastres naturais. Além disso, o trabalho de prevenção realizado pela Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) unifica todos os órgãos da Prefeitura de Belo Horizonte e conta com a ajuda da população e de empresas da iniciativa privada. O prêmio foi compartilhado com um consórcio de ONGs de Bangladesh e com a organização TDMMO, de Teerã, capital do Irã.

De acordo com o coronel Alexandre Lucas, o trabalho da Defesa Civil de Belo Horizonte é realizado de forma integrada e conta com a contribuição de todos os órgãos municipais na gestão de risco e prevenção de desastres. “Belo Horizonte foi reconhecida internacionalmente com essa premiação e, com certeza, seremos convidados para compartilhar essa experiência com o mundo inteiro. A repercussão na ONU foi muito grande”, salientou. Para o secretário Humberto Viana, a premiação demonstra que o Brasil possui profissionais preparados para aplicar boas experiências e práticas em relação à defesa civil. “O momento agora é de celebração do sucesso das ações que realizamos conjuntamente em todo o país, mas o destaque é de Belo Horizonte, que foi reconhecida pela ONU como uma das experiências mais bem sucedidas no mundo”, frisou.

O concurso reconhece o trabalho de personalidades, cidades e municípios, instituições e projetos com um prêmio de 50 mil dólares. Os vencedores deste ano, Belo Horizonte e Bangladesh, receberam um prêmio de 20 mil dólares cada um, enquanto Teerã ficou com 10 mil dólares. Os municípios de São Bernardo, nas Filipinas, e Kasrlstad, na Suécia, também tiveram seus esforços para a prevenção de desastres naturais reconhecidos por meio de diplomas de mérito. O evento de premiação foi realizado no Palácio das Nações, em Genebra, e contou com as presenças da chefe do escritório da ONU para a Redução do Risco de Desastres, Margareta Wahlström, do patrocinador e presidente da Fundação Nippon, Yohei Sasakawa, do secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana, e do coordenador da Defesa Civil de Belo Horizonte, coronel Alexandre Lucas, além de uma delegação composta por representantes de diversas cidades brasileiras.

Ações da PBH
Com uma população de 2,7 milhões, Belo Horizonte possui cerca de 80 pontos de risco de inundações e diversas áreas de risco de deslizamento de terra. Durante todo o ano, a PBH realiza inspeções dos locais mais vulneráveis da cidade. Em áreas de alto risco, a administração municipal reassenta famílias em moradias públicas seguras, como no caso do programa Vila Viva, por meio do qual a Prefeitura constrói conjuntos de apartamentos para a instalação dessas famílias. Além disso, os Núcleos de Defesa Civil (Nudecs) emitem alertas e reforçam medidas de prevenção, e os Núcleos de Alerta de Chuvas (Nacs), grupos comunitários que moram ou trabalham em áreas inundáveis, atuam como agentes que alertam outros moradores para situações de risco. Exemplo disso são telefonemas e mensagens de celular para gestores municipais, lideranças comunitárias e imprensa, e ao público em geral por e-mail e redes sociais.

A população tem disponível o telefone 199 para comunicar, durante 24 horas por dia, nos sete dias na semana, as ocorrências de enchentes, inundações, deslizamentos e também solicitar vistorias em ruas, terrenos, casas, prédios e outras edificações. Há também o Grupo Executivo de Área de Risco (Gear), que desenvolve ações e intervenções emergenciais da PBH para serem realizadas durante o período de chuvas. O objetivo deste grupo é dar mais agilidade ao atendimento à população afetada por desastres, assim como otimizar os recursos humanos e materiais para o atendimento.

Outra ação é o Programa Estrutural em Área de Risco (Pear), que durante todo o ano realiza vistorias em 100% das áreas solicitadas, para diagnosticar situações de risco e indicar medidas corretivas que possam ser realizadas pelos moradores ou pela Prefeitura. O programa também atende famílias residentes em locais de risco geológico médio ou baixo, onde obras de pequeno porte, feitas pelo próprio morador, podem eliminar a situação de risco. O Pear fornece o material de construção e orientação técnica, e a mão de obra fica por conta do morador ou da comunidade. A Prefeitura também mantém parcerias com diversas instituições privadas nas áreas de educação (Centro Universitário de Belo Horizonte - Uni-BH) e engenharia (Associação Brasileira de Mecânica dos Solos – ABMS, Instituto Brasileiro de Avaliação e Perícia de Engenharia de Minas Gerais – IBAPE-MG , e a Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria – Abece).

O prêmio
O prêmio Sasakawa, realizado bienalmente, é concedido ao projeto mais inovador com base em ações integradas para a redução do risco de desastres naturais. O prêmio é entregue desde 1987 e já teve como vencedores trabalhos de cidades como São Francisco, nas Filipinas, Santa Fé, na Argentina, e Vancouver, no Canadá, além de projetos criados pelo médico indonésio Eko Teguh Paripurno, pelo professor Yoshiaki Kawata, do Japão, e pelo engenheiro de Segurança do Trabalho Tony Gibbs, do Caribe.

  • (Clique na imagem para ampliar)